quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Lição para os cervejeiros: Padaria Real.

Algumas vezes temos dificuldade em traduzir o que é uma cervejaria artesanal, então achei que seria legal colocar como exemplo a Baguete Tradition da Padaria Real.


Pra quem não conhece a Real, em Sorocaba, esta perdendo, é o nosso principal ponto turístico, tem a melhor coxinha do Brasil e os melhores pães, claro que esta é minha opinião, não sou especialista em pães, mas quem conhece sabe que não estou exagerando, a Baguete Tradition nos da duas lições, o que é ser artesanal e que simplicidade pode gerar complexidade.

A Baguete Tradition segue rigorosamente uma sequência de preparo, com três fermentações naturais.

É um produto que o padeiro tem que respeitar o tempo dele e deve ser assado, obrigatoriamente, em forno à lenha e direto no lastro do forno.

Esta baguete é reconhecida na França desde 1993 pelo “decreto pão” que tinha como objetivo dar um estimulo as padarias artesanais que estavam sofrendo com a concorrência desleal das grandes fábricas de pão, parece que já escutei isso em outro segmento de mercado.

E você deve estar se perguntando, o que a cerveja tem a ver com isso?

É possível crescer sem perder a qualidade, desde que você mantenha a ideologia, o artesanal é uma ideologia a ser seguida, o que é qualidade pra nós artesãos, não é pra uma grande cervejaria ou indústria do pão, o que importa para nós é resgatar a tradição, o que teremos de aromas e sabores no final, já pra indústria, o que importa é fazer sempre a mesma coisa com o menor custo, pra Padaria Real, certamente não interessa se a baguete esta com um formato irregular, com as bolhas interna de tamanhos diferentes, aparentando rusticidade, o que importa é o sabor fantástico que ela tem, já pra grande industria de pães o que significa qualidade é fazer o pão sempre do mesmo tamanho, com a mesma largura das fatias, e bolhas interna uniformes e com o menor preço possível.

Mas lembre, nem todo pequeno produtor preocupa-se com o alto padrão, a maioria tenta copiar o que uma grande indústria faz, mas sem ter a tecnologia deles, por isso encontramos um monte de “pão de vento” no mercado e um monte de água amarela com gás feita por pequenas cervejarias.

A outra lição que a baguete nos da é que com poucos ingredientes é possível fazer um produto altamente complexo, e pra fazer cerveja é a mesma coisa, não necessitamos fazer uma cerveja com 15% de álcool, 200 IBU e marrom, pra termos complexidade, às vezes uma Pilsen bem feita tem complexidade maior que as Extreme Beer.

E a Baguete Tradition da Padaria Real harmoniza com qual cerveja? Com qualquer uma, às vezes como ela pura, sem recheio, é boa de qualquer jeito.

Só pra constar, este texto não é um Jabá pra Padaria Real, eles nem precisam disso, e não escondo de ninguém que sou fã deles, o que temos de bom devemos falar.

Parabéns a todos que ajudaram a elaborar esta obra de arte que é a Baguete Tradition, principalmente ou Joel que literalmente põe a mão na massa e ao Carlos que a cada dia esta trazendo novidades e estudando pra nos brindar com essas maravilhas.

3 comentários:

Marcus - Cerveja Sorocabana disse...

Grande Alexandre!
Sei muito bem que você não faz jabá e nem a Real precisa disso. A qualidade dos produtos da padaria falam por sí só. Sou grande apreciador dos quitutes da Real e, como todos os Sorocabanos, das coxinhas magníficas! Assino em baixo tudo que você disse sobre qualidade, dedicação e apego aos verdadeiros valores do que é ser "artesanal". Parabéns pelo post!

Marcus Alves

Alexandre Bamberg disse...

Fala Marcus

Valeu, obrigado, e vamos comendo coxinha, que é boa mesmo.

David - Lamas Bier disse...

Nao consegui comer esta baguete ainda....mas a coxinha...PELO AMOR!!!
E a melhor coxinha que ja comi na vida!

Excelente Artigo....esta é a essencia